Diferenças de um check-up básico e um completo

Já diria o ditado, é melhor prevenir do que remediar. Quando se fala em saúde então, estar com o check-up em dia, pode significar a cura precoce de alguma doença, ou até mesmo evitar possíveis situações de alto risco, como infarto e AVC. Para isso é importante sabermos as diferenças de um check-up básico e um completo.

Além dos exames laboratoriais, o check-up médico pode incluir técnicas de diagnóstico por imagem e avaliação física. Conheça a lista de exames mais pedidos em um check-up completo:

1. Hemograma

Este é o famoso exame de sangue completo, solicitado para a avaliação da quantidade, do volume e da atividade dos três tipos de células que compõem este tecido:

  • Hemácias ou glóbulos vermelhos: diagnóstico de anemias
  • Leucócitos ou glóbulos brancos: diagnóstico de infecções, alergias e alguns tipos de câncer;
  • Plaquetas: diagnóstico de problemas de coagulação.

2. Glicemia em jejum

É o exame que mede a taxa de glicose (açúcar) no sangue depois de um jejum de pelo menos 8 horas. Ele é útil para identificar a pré-diabetes (entre 100 e 125 mg/dl), uma condição que pode ser tratada, e a diabetes em si (acima de 126 mg/dl).

Além de fazer parte dos exames laboratoriais de rotina, a glicemia em jejum é solicitada para avaliar a eficácia do tratamento para diabetes.

3. Colesterol e triglicerídeos

Este exame mede os níveis de diferentes gorduras no sangue, permitindo ao médico calcular o risco de bloqueio das artérias pela formação de placas e de complicações cardiovasculares, como infarto e AVC (derrame).

Para isso, o exame mede os níveis de HDL (“colesterol bom”, desejável acima de 40 mg/dl), LDL e VLDL (“colesterol ruim”, com valores que variam conforme o risco pessoal de cada paciente) e colesterol total (soma de todos os tipos de colesterol, desejável abaixo de 190 mg/dl).

A quantificação dos triglicerídeos deve ser solicitada à parte, pois essas gorduras não são dosadas junto com os demais exames laboratoriais de colesterol. Seu valor desejável é abaixo de 150 mg/dl.

4. Ureia e creatinina

A dosagem dessas duas substâncias no sangue permite avaliar o funcionamento dos rins e identificar alterações de forma precoce, muitas vezes antes da manifestação de sintomas.

Este é o caso da insuficiência renal, que se desenvolve de forma silenciosa e só apresenta sintomas em graus muito avançados.

5. TGO (AST) e TGP (ALT)

Este exame quantifica as enzimas TGO e TGP e possibilita ao médico a avaliação do funcionamento do fígado.

Além disso, ele é incluído no check-up porque as alterações nessas enzimas também estão relacionadas a problemas como lesões musculares, doença celíaca, hipotireoidismo, pancreatite e infarto.

6. TSH e T4 livre

O TSH e o T4 são hormônios relacionados ao funcionamento da tireoide, de modo que sua dosagem permite o diagnóstico de doenças como hipotireoidismo e hipertireoidismo.

O exame é solicitado principalmente no check-up médico de mulheres na menopausa, quando os distúrbios de tireoide são mais comuns.

7. Ácido úrico

O ácido úrico é um subproduto da metabolização de certos tipos proteínas. Valores alterados podem indicar hipertensão e problemas cardiovasculares, além de representar um fator de risco para o desenvolvimento de doenças como dores articulares, gota, cálculo renal e insuficiência renal.

8. Exame de urina

O exame laboratorial de urina avalia características físicas como cor, densidade e pH desse fluido, a dosagem de elementos como glicose, proteínas, hemácias e leucócitos e a presença de bactérias.

As alterações podem indicar distúrbios no funcionamento dos rins e infecções urinárias. Este exame costuma ser pedido principalmente no check-up médico das mulheres, pois elas são mais vulneráveis a esse tipo de infecção.

9. Eletrocardiograma

Geralmente solicitado a partir dos 40 anos, o eletrocardiograma é requisitado para avaliar o funcionamento do coração em repouso.

Ele é feito com o auxílio de eletrodos que detectam a frequência e os batimentos cardíacos, permitindo identificar alterações indicativas de bloqueio arterial, falhas nas válvulas, arritmia, taquicardia e outros problemas.

10. Teste ergométrico

Trata-se do popular “teste de esforço” ou “teste de esteira”, que consiste em avaliar a função cardíaca em movimento. Este exame é solicitado no check-up de pessoas com risco aumentado para infarto e para quem vai iniciar uma atividade física.

11. Ecocardiograma

O ecocardiograma permite o estudo da estrutura anatômica e do funcionamento do coração por meio da ultrassonografia.

Com a avaliação de imagens estáticas e em movimento, o médico pode investigar a origem de sintomas como falta de ar, taquicardia e dor torácica, além de monitorar a eficácia de tratamentos para problemas já instalados, como arritmias e isquemias.

12. Papanicolau

Também conhecido como exame preventivo, o Papanicolau consiste na coleta de células do colo do útero para a análise microscópica, permitindo identificar algumas infecções sexualmente transmissíveis, lesões que podem se tornar um tumor maligno e o câncer de colo de útero propriamente dito.

O Papanicolau é recomendado às mulheres entre 25 a 64 anos. Depois de obter dois resultados negativos em um intervalo de 12 meses, o exame preventivo pode ser feito a cada três anos.

13. Mamografia

A mamografia é a principal técnica de diagnóstico do câncer de mama em fase inicial, o que aumenta as chances de sucesso no tratamento. Diversas associações de especialistas recomendam que este exame seja feito anualmente por mulheres acima de 40 anos. O Ministério da Saúde, porém, indica que a mamografia seja feita bi anualmente dos 50 aos 69 anos. A decisão final sempre deve ficar a cargo do seu médico.

14. PSA

Elevações nos níveis de PSA (antígeno prostático específico) no sangue podem indicar a instalação de um câncer de próstata e outras alterações benignas nessa glândula, como uma inflamação ou o crescimento causado pelo avanço da idade.

Para homens com fator de risco para esse câncer (negros, obesos ou com parentes de primeiro grau com histórico da doença), recomenda-se fazer a dosagem de PSA a partir dos 45 anos. Para os demais, a partir dos 50. A frequência pode variar entre um a quatro anos conforme a avaliação médica.

15. Exame de toque retal

Também conhecido como exame de próstata, esta técnica consiste na apalpação dessa glândula por meio do reto para investigar a presença de inchaços, nódulos e outros sinais de câncer.

O exame de toque retal funciona de modo complementar à dosagem de PSA e tem as mesmas recomendações de frequência e idade.

Os exames citados são pedidos em um check-up completo, normalmente feito uma vez por ano… Para visitas semestrais ao médico, é indicado primeiramente um check-up básico onde são indicados apenas os exames de sangue, urina e fezes.

É importante ter em mente que são as condições individuais de cada pessoa que determinam quais exames devem ser incluídos no check-up, de modo que o médico pode solicitar testes diferentes dos que foram apresentados.

Gostou? Ficou claro as diferenças entre um check-up básico e um completo? Continue seguindo o blog do Laboratório Carlos Chagas!

Outros artigos interessantes

Exame RT-PCR

Exame RT-PCR

Você com certeza conhece alguém ou já precisou fazer um teste para detectar o COVID-19, mas você sabia que existe um...

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Entre em Contato

carloschagas@carloschagasaraxa.com.br

Instagram
@carloschagas.araxa

Instituto de Patologia Carlos Chagas
Rua Capitão José Porfírio, 251 . Centro - Araxá-MG
(34) 3661-2899

Posto de Coleta Cardioclínica
Rua Antônio Alves da Costa, 65 . São Pedro - Araxá – MG
(34) 3662-2240

Posto de Coleta Emiliana Alves de Rezende
Av. Geraldo Tomaz de Aquino, 228 . Tapira – MG
(34)3633-1441

Posto de Coleta Santo Antônio
Av. Wilson Borges,755 . Santo Antônio - Araxá – MG
(34)3662-9515

Urgência 24 Horas: (34) 98826-1999

Horário de Funcionamento

Segunda à Sexta:
06:00 às 18:00h

Sábados
07:00 às 12:00h

Localização

Compartilhe!