Qual exame detecta tireoidite de Hashimoto ?

A glândula tireoide tem forma de borboleta e está localizada no pescoço, à frente da laringe, que produz os hormônios tiroxina (T4) e tri-iodotironina (T3), que têm um papel importante no controle do metabolismo. A tireoidite de Hashimoto é a forma mais comum de inflamação da tireoide e a causa mais frequente de diminuição da produção de hormônios dessa glândula.

A tireoidite de Hashimoto é um distúrbio autoimune em que há inflamação e destruição progressiva da glândula por linfócitos e por auto anticorpos, que causa diminuição gradual da produção de hormônios.

A doença ocorre em qualquer idade, mas é mais comum em mulheres acima de 40 anos de idade. Pode afetar pessoas com história familiar de doenças da tireoide ou de outras doenças autoimunes, principalmente diabetes do tipo 1 e insuficiência suprarrenal.

Acompanhe a leitura e aprenda uma pouco mais sobre essa doença e qual exame detecta tireoidite de Hashimoto.

Sinais e sintomas

Pessoas com tireoidite de Hashimoto podem não apresentar sintomas durante anos, mas com o tempo desenvolvem sintomas progressivos de hipotireoidismo, que incluem:

  • Constipação
  • Depressão
  • Pele seca
  • Fadiga
  • Problemas de memória
  • Aumento da sensibilidade ao frio
  • Irregularidade menstrual, menstruação excessiva
  • Dores musculares e articulares
  • Fraqueza muscular
  • Lentidão
  • Cabelos finos
  • Ganho de peso

Qual exame detecta tireoidite de Hashimoto?

Na verdade são vários exames que ajudam os médicos a fechar um diagnóstico, esses exames detectam uma possível disfunção tireoidiana, diagnosticando a tireoidite de Hashimoto.

Para monitorar a produção de hormônios:

  • TSH – Elevado no hipotireoidismo
  • T4 – Em geral, diminuídos no hipotireoidismo primário
  • T3 – Algumas vezes, diminuídos, mas podem estar normais. São menos úteis que o T4

Para ajudar o diagnóstico de tireoidite de Hashimoto:

  • Anticorpos antitireoperoxidase (anti-TPO). Esse exame detecta autoanticorpos contra uma enzima específica da tireoide. Valores altos indicam lesão autoimune da glândula devido a tireoidite de Hashimoto ou a doença de Graves.
  • Anticorpos antitireoglobulina. Podem estar presentes na tireoidite de Hashimoto. É pouco usado porque o exame é menos sensível e menos específico que os anticorpos anti-TPO.

Raramente, pacientes com tireoidite de Hashimoto não têm anticorpos detectáveis

Tratamento

Não há cura para a tireoidite de Hashimoto, mas a doença é controlável e, com frequência, é branda. Não é necessário tratamento quando as concentrações de hormônios da tireoide (T4 e T3) estão normais e a pessoa não apresenta sintomas importantes. A reposição de hormônio da tireoide é necessária quando os níveis sanguíneos diminuem e aparecem ou pioram os sintomas. Os pacientes são acompanhados para início e ajuste do tratamento de reposição.

Conseguiu entender melhor sobre esse distúrbio e qual exame detecta tireoidite de Hashimoto?

Continue seguindo nosso blog e fique por dentro de assuntos relacionados à saúde.

Outros artigos interessantes

Exame RT-PCR

Exame RT-PCR

Você com certeza conhece alguém ou já precisou fazer um teste para detectar o COVID-19, mas você sabia que existe um...

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Entre em Contato

carloschagas@carloschagasaraxa.com.br

Instagram
@carloschagas.araxa

Instituto de Patologia Carlos Chagas
Rua Capitão José Porfírio, 251 . Centro - Araxá-MG
(34) 3661-2899

Posto de Coleta Cardioclínica
Rua Antônio Alves da Costa, 65 . São Pedro - Araxá – MG
(34) 3662-2240

Posto de Coleta Emiliana Alves de Rezende
Av. Geraldo Tomaz de Aquino, 228 . Tapira – MG
(34)3633-1441

Posto de Coleta Santo Antônio
Av. Wilson Borges,755 . Santo Antônio - Araxá – MG
(34)3662-9515

Urgência 24 Horas: (34) 98826-1999

Horário de Funcionamento

Segunda à Sexta:
06:00 às 18:00h

Sábados
07:00 às 12:00h

Localização

Compartilhe!